Coisas curiosas / Curious Things (5) or Bordado das Caldas da Rainha vs Punto Umbro o Portoghese

No seguimento do postal anterior sobre o mesmo tema vou mostrar como fiz o ponto pé de flor suspenso, e como penso que também a Mary Corbet terá feito.
Following the previous post on the same topic I’ll show you how I made the raised stem stitch, and similar Mary Corbet have done, I think.(sorry if I’m wrong).1 Ponto pé de flor suspenso; raised stem stitch1 – Aproveitando o esquema que já tinha feito começo a fazer os pontos lançados, alternando um longo e um curto – daí a importância do circulo do meio. Tentei corrigir o esquema, contudo não ficou muito bem. Os pontos têm que ficar a espaços certos. As setas apontam para algumas incorreções.
– Building on the scheme I already had started making straight stitches, by alternating one long and one short – hence the importance of the middle circle. I tried to fix the scheme, but was not very good. The stitches must be made at regular (even?) and short spaces. The arrows point out to some mistakes.

2 – Os pontos devem convergir – o que não acontece no ponto com a seta, p.ex.
– Stitches must converge – which does not happen at the stitch with the arrow, eg.

3 – O avesso fica assim. Back side looks like that.

4 – E este é o primeiro ponto pé de flor suspenso – nunca picando o tecido – usando como suporte os pontos lançados.
– This is the very first raised stem stitch – never pricking the fabric – using straight stitches as support.

2 Ponto pé de flor suspenso; raised stem stitch

5, 6 – e continua-se; ao completar-se a volta nada se faz de especial, a não ser continuar à volta.
– and went on; when you finish the first turn you do nothing special but going on around.

Adenda: ao fazer o ponto pé de flor a linha não deve ser muito puxada, vai-se ajustando com a agulha.
Addendum: to make raised stem stitch the thread should not be pulled too much, it will be adjusted with the needle.

7 – quando os pontos lançados mais curtos acabam, podemos ou não mudar a cor.
 – when the shorter straight stitches are covered, we can or not change the color – 

8 – mudei a cor para demonstrar que se pode fazer, mesmo com cores contrastantes.
– I’ve changed the colour to show you what can be done even with contrasting colors.

3 ponto pé de flor suspenso; raised stem stitch

9, 10 – Pode-se acabar como se quiser – usei o ponto pé de flor para contornar e os nozinhos para encher o circulo mais pequeno.
– You may end up as you want – I used stem stitch to work around and French knots to fill the smaller circle.

???????????????????????????????

Resulta melhor com circulos mais pequenos – percebi isso quando comparei o que tinha feito há algum tempo com o que fiz agora – não resultou tão bem, desculpem!
It works best with smaller circles – I realized this when I compared what I’ve done before with the one I used for this tutorial – doesn’t work so well, sorry!

Espero, ainda esta semana, fazer este ponto à maneira das Caldas da Rainha e do Punto Umbro.
Later this week I hope to show you how this stitch is made in Caldas da Rainha and Punto Umbro o Portoguese embroidery.

Boa semana!
Have a great week!

At last: the corners! Finalmente os cantos!

Com a série da bainha aberta as visitas subiram um pouco, mas o que mais subiu foi o número de seguidoras por email, principalmente brasileiras e portuguesas.
Pelos comentários nem parece, pois não? :-|
Mas hoje espero ter alguma ajuda das leitoras deste blogue. Nem que seja por ser o último artigo da série.

With drawn thread series the blog visits increased a little, but what really has increased was the number of subscribers by email, mostly Brazilian and Portuguese.
Though comments have decreased :-|
But today I expect some help from my readers. Being the last post of the series some help and/or feedback will be very appreciated.

The corners        Os cantos

Conheço duas formas de o fazer: em rolinho e em recorte
I know two ways: as satin stitch? (don’t know how to say in English) over casting stitch! (thanks Judy)

and buttonhole stitch

rolinho apanhando os dois lados da bainha; as setas indicam que a agulha deveria estar mais inclinada, para que os pontos não fiquem sobrepostsos; faço do lado direito para controlar melhor – o que nem sempre acontece – já lá vamos;
satin stitch (?) taking the two sides of the hem; the arrows show the needle should be more sloped (?) to avoid overlapping the stitches; I do it at front side trying to follow better each stitch – we’ll see next;
é aqui que preciso do vosso conselho – o rolinho nem ficou mal, deste lado, mas o ângulo e o outro lado… ficou péssimo!
it’s here I need your advice – this side is not too bad, but the turn and other side… are awful!
acho o ponto de recorte mais fácil, apesar de tudo o probleminha daquele ângulo permanece…
I think buttonhole stitch easier, though that little turn trouble remains…
sem dúvida, muito melhor com linha da cor do linho
no doubt much better with same colour thread/linen ;)
Now explain me how do you do, pleeeeease!
I feel as if I’m seeing wrong, but I’ve changed my lens recently. In fact last days it has been hard to embroider – and I’m not comfortable with that. I´m feeling too lazy as well…
Happy stitching!
Agora expliquem-me como fazem, por favor!
Sinto como se estivesse a ver pior, mas mudei as lentes recentemente. De facto nos últimos dias tem sido mais difícil bordar – e isso não é fácil para mim. Também ando mais preguiçosa…
Bons trabalhos!

Artigos anteriores desta série :
Escolher e preparar o linho 
Marcar cantos e tirar fios
Fazer os cantos
Ponto ajour (parte I)
Ponto ajour (parte II)

Previous posts from this serie:
Choosing and preparing the linen
Marking the corners and pulling threads
Making mitered corners
Ajour stitch (part I)
Ajour stitch (part II)

o que não deve acontecer / what might not happen

…mas acontece! lembram-se disto? ao desfazer o ponto ajour, aconteceu o que não deve!
…but it does! remember this? undoing hem-stitch happened what might not!

e agora? há que resolver – vou mostrar como fiz e penso que resultou
and now? have to mend it – i’ll try to show yoy how i did and think it worked.

com linha de coser à máquina passei dois/três fios na vertical (deveria ter passado a linha um fio do linho mais acima…) e continuei a fazer o ajour deste lado;
i made two/three extra threads in vertical with sewing thread (maybe i might have done them at a higher row…) and went on with the ajour stitch this row;

o problema estava do outro lado, ao fazer o ajour duplo – no grupo de fios anterior ao problema tentei apanhar parte  daqueles fios desfeitos; (estou a trabalhar no avesso)
all the trouble was the other row, doing ladder stitch – at the cluster just before the trouble i tried to catch some of those cut haired threads; (i’m working on back side)
taking up some of the hairy threads – from the beginning I knew I have to catch two threads of linen (not one as usual) in order to join that crasy thread along the hem
a apanhar os tais fios desfeitos – desde o início que percebi que tinha que apanhar dois fios do linho (e não um como de costume) para juntar aquele fio que fugiu a toda a volta da bainha, penso que por causa de tanta volta que dei ao trabalho!
next two steps close-up
os dois passos seguintes vistos de muito perto
it doesn’t look too bad, does it? with a little embellishement only you and me will notice the trouble – I believe!
não parece muito mal, pois não? com um bordado simples na bainha só vocês e eu notaremos o problema – digo eu!
                 almost there                                                        done!
quase                                                            feito!

almost perfect :-|   Happy Sunday!
quase perfeito       Bom domingo!

nota: amanhã não vou conseguir publicar o artigo previsto sobre os cantos; talvez na quarta-feira – desculpem!
note: tomorrow I can’t manage editing the post about corners; perhaps next Wendesday – I’m sorry!

Drawn threads / Bainha aberta (4) – Parte II

Antes de mais quero mostrar a grande diferença de trabalhar o ponto ajour com linha de bordar e com linha para máquina de costura. É claro que se usarem uma linha de bordar ou de croché muito fina o efeito será o mesmo. Também me parece que, sendo a linha da cor do linho, fica mais bonito e mais leve.
First of all I want to show you the big difference between working hem-stitch with embroidery thread or sewing machine thread. Of course you can choose a very thin embroidery thread or even a thin crochet thread. It seems to me that being the thread and linen the same colour the result is much more beautiful and light.

O que acham?            What do you think?

Hoje vamos para a segunda parte do ponto ajour, o que eu chamo ajour em zig-zag. Tão simples como fazer ponto ajour de um dos lados, neste caso tem que se apanhar um número par de fios (4) para, ao fazer o outro lado se apanhar 2 fios de um grupo e dois do seguinte, para o tal ponto em zig-zag.
Today we’ll go for part II: Double hem-stitch(?) = Serpentine hem-stitch. You would need for this an even number of threads (4 this case); you can do the first row as before, and making the second row drawing half the threads of one cluster and half of next together.

Pode-se começar por apanhar dois fios, logo no primeiro lado mas ter em atenção que, no final do lado, temos que terminar também em dois.
Still you can begin doing first row drawing half the threads (2), paying atention at the end of the row – you must end with 2 threads as well.

e lá vamos nós!
here we go!

and it’s done the Serpentine hem-stitch / Double hem-stitch (?); no more words are needed!
e está feito o ajour em zig-zag; mais palavras para quê?

For this series I’ve made one side in Ladder stitch and other in Serpentine hem-stitch, with DMC cotten à border 25. The other two sides I’ve used sewing machine thread.
Para esta série fiz o ajour duplo e o ajour em zig-zag em dois dos lados, usando DMC cotton à border 25. Nos outros dois usei linha de coser à máquina no mesmo tom do linho.

Next we’ll pay attention to the corners. Almost always I do the corners with separate thread, just in case you have to undo and redo…
A seguir vamos fazer os cantos. Quase sempre faço os cantos com linha separada, para o caso de ter de fazer e desfazer…

Artigos anteriores desta série :
Escolher e preparar o linho 
Marcar cantos e tirar fios
Fazer os cantos
Ponto ajour (parte I)

Previous posts from this serie:
Choosing and preparing the linen
Marking the corners and pulling threads
Making mitered corners
Ajour stitch (part I)

Tenham uma boa semana!
Have a great week!

Drawn threads / Bainha aberta (4) – Parte I

Aviso: não estou em casa. Os dois artigos anteriores estavam já escritos para entrarem. Trouxe uma “pen” com imagens para fazer este artigo. Está a ser difícil escrevê-lo num computador diferente e faltam-me imagens recentes. Ainda esta semana sairá a Parte II deste artigo, já escrito em casa, espero – “desculpem qualquer coisinha”!
Warning: i’m not at home. The previous two posts were already written for publishing. I brought a pen with pictures to make this post. It has been difficult doing it in a different computer and some recent pictures are missing. Still this week I’ll publish the Part II of this post, written at home I hope – be patient with me, please! 

Se quiser seguir esta série ler os artigos anteriores: Escolher e preparar o linho,  Marcar cantos e tirar fios e Fazer os cantos
If you want to follow this series check out the previous posts: Choosing and preparing the linenMarking the corners and pulling threads and Making mitered corners

 Hoje é o dia do ponto ajour simples
 Ajour stitch / Single hem stitch today

Eu faço o ponto ajour do avesso, da esquerda para a direita e como é uma bainha estreita não uso bastidor;
I do single hem stitch on the back side and from left to right; as it is a narrow hem I’m not using a hoop; 

Como temos a dobra da bainha podemos iniciar como se mostra na foto, dentro da dobra (estou a usar DMC 25 vermelha para contrastar melhor)
As we have the folded linen we can begin as shown on the picture, inside the fold (i’m using DMC 25 in red for showing better)

– apanhar três fios – eu viro a agulha ao contrário, para evitar picar os fios; há quem faça tudo (até bordados de todos os tipos) com uma pequena agulha sem bico;
– passar a agulha, da direita para a esquerda, por baixo de três fios, formando o primeiro grupo de fios;

– take up three threads at a time – i turn over the needle, in order to avoid pricking some thread; you can use a tapestry needle – i know who does everything (even embroidery of all kinds) with a little tapestry needle;
– pass the needle, from right to left, under three threads, making the first cluster; 

puxar o fio para a esquerda, à volta dos três fios;
pull the thread to left around the cluster;

picar os dois lados do linho (com a linha por cima da agulha) para segurar a bainha; (desculpem a falta de nitidez de algumas imagens)
– carry the needle on pricking the two sides of the linen (with the thread over the needle) to fix the hem;
(sorry the bad quality of some pictures)

puxar a linha no sentido da seta – este gesto é importante para ajustar o ponto à bainha, principalmente em bainhas abertas mais largas e que têm que ser feitas em bastidor, mas façam este gesto como uma rotina;
pull on direction shown by the arrow – this  gesture/motion (?) is important to adjust the stitch to the hem, mainly on larger drawn threads which must be done with hoop or frame, but you must do this motion as a routine;

e continuem, sempre igual – é relaxante; se a linha acabar este é o remate que se faz aqui;
and go on and on the same way – is relaxing; if thread ends you do as shown at the picture only here

e o lado direito;
the front side;

This is the ajour stitch /single hem stitch. Still I want to point out some little details.
Este é o ponto ajour. Mas ainda quero chamar a atenção para pequenos pormenores.

estando a trabalhar do avesso, tento sempre apanhar um só fio do lado direito e dois da da dobra da bainha – conseguem ver?
being working on the back side of the work I always try taking up only one thread from the front side and two from the folded back side – can you see?

quando estamos perto do canto contar os fios (grupos de três) que restam, no sentido da seta; porquê? teriamos muita sorte se todos os fios estivessem certinhos  e no canto tivessemos os três fios para fazer o último grupo (pode acontecer…); vamos contar de três em três (neste caso), do canto até onde estamos; se sobram 5 fios vamos ter que fazer dois grupos de 4, recomendo que não sejam juntos, se sobram 4 é só um grupo de 4 – não se vai notar nada no final; se fizermos tudo no canto poderá notar-se mais, até porque é um sitio para onde se olha mais…

when we are near the corner count the threads (three at a time) in the direction of the arrow? Why? we would be very lucky if all were right at last cluster in the corner (it happens sometimes…); so we must count three by three threads (on this case) from the corner to where we are; at last if we have 5 threads it means you have to do two clusters with 4 threads, I suggest doing them spaced, if we have 4 threads we’ll do only one cluster with 4 threads; if we do all together just in the corner it could be noticed more, being the corners where our eyes fall more…

esta é uma imagem antiga – mas aproveitei-a para mostrar o que acabei de dizer: na bainha vertical tenho grupos de 3 e um de 4, para dar certo no canto; claro que o grupo de 4 deveria estar mais afastado do canto… (não liguem à linha the baixo, a vermelho…)

this is an old picture but it shows you what I meant before: on the vertical hem I’ve done clusters with 3 threads and one with 4 threads and all is fixed for the corner; of course the cluster of 4 must be done much far from the corner… (don’t mind the red row on the bottom…)

numa bainha aberta pequena, dois ou quatro fios tirados, o ponto ajour só de um lado é suficiente; como nesta bainha tiramos oito fios, vamos fazer ajour dos dois lados, ajour duplo – sempre do avesso.
in a narrow hem, two or four threads drawn, single hem stitch is enough, here we’ve drawn eight threads, so we’ll do hem stitch both sides, always on back side, called Ladder stitch hem.

the start;
o começo;

completar a bainha, virando o trabalho e repetir o mesmo ponto ajour, apanhando os mesmos grupos de fios anteriormente feitos – no princípio  a agulha tem que apanhar a linha de bordar + um fio de linho (por favor não olhem para aquele canto :( )

complete the hem, turning the work, repeating the same hem stitch taking up the same clusters of threads you’ve taken before –  at first you have to carry the needle on  the embroidery thread + one line thread (please don’t look at that corner :( )

and here we go – this side much easier;
e aqui vamos nós – este lado é muito mais fácil;

só um fio de linho apanhado
just one linen thread being held

sem nunca esquecer o movimento para baixo;
never forgetting the gesture towards down;

e aqui temos uma bainha ajour dupla – as imagens mostram todas as imperfeições… usar   uma lente de aumento teria sido muito, muito útil.

and here we have a Ladder stitch hem – the photos shows all the wrong things… using a magnifier would be very very usefull.

note: for some English terms i’ve used ENCYCLOPEDIA OF NEEDLEWORK (1884) –  by Thérèse Dillmont

Have a great week. I’ll come back again this week with Part II, I hope.
Tenham uma boa semana. Voltarei ainda esta semana para a Parte II, espero. 

Drawn Threads / Bainhas abertas (2)

Se quiser ler o primeiro artigo da série:  Escolher e preparar o linho
If you want reading the first post: Choosing and preparing the linen

Hoje vou procurar explicar como tiro os fios dos 4 lados do linho.
Today I’ll try to explain how I draw the threads all around the linen.

Marcar os cantos para tirar primeiro fio a toda a volta
Marking the corners and pull the threads all around

use the tape measure and pin the corner like that 5cm from the edge
usar a fita métrica e marcar com alfinetes o canto a 5cm do bordo

deixar um alfinete a marcar o canto e, seguindo o fio até cerca de 1cm do canto, puxar no sentido da seta preta
leave one pin marking the corner, follow the thread at about 1cm from de corner, pull in direction of the black arrow

preparar para cortar
ready to cut

cortado!
cut!
do just the same the other side the corner
fazer exatamente o mesmo do outro lado do canto

primeiro canto feito – A
first corner done – A

Going towards other corners      Seguindo para os outros cantos

vamos seguir para o canto B – vamos puxando devagar o fio que vem do canto A e próximo do canto voltamos a medir 5 cm do bordo, no lado seguinte, e puxamos um fio para cortar a 1cm do canto; lembrem-se que os fios têm que ficar, nos cantos, com cerca de 1cm (agora já estou a usar uma agulha romba, dá-me mais jeito)
we’ll go to corner B – pull slowly the thread cut at corner A and just next the corner use again the tape measure to mark 5cm from edge on next side and cut at about 1cm from the corner; remember that the threads on the corners must have about 1 cm (now I’m already using a tapestry needle)

do the same on corner C
fazer o mesmo no canto C

agora não precisamos de fita métrica – quando o fio que está a ser puxado, vindo do canto C, se aproxima do canto D, temos que voltar ao canto A e começar a retirar o fio do outro lado do canto A, (o fio vindo do canto A encontra-se com o que vem do canto C, em D) lembrem-se que têm que deixar sempre 1cm
now you don’t need tape measure – you are pulling the thread from corner C near the next corner D you have to stop and return to the other thread from first corner (A), and both threads meet at the corner – remember you must leave always 1cm

e o último canto está feito (desde que o editor picnik desapareceu as setas ficam uma lástima…)
last corner made (since picnik editor has gone the arrows are awful…)

Retirar fios para a bainha aberta        Pulling the threads for drawn thread hem

vamos tirar 8 fios para esta bainha; um já está tirado, faltam 7; a 1cm do canto já feito, cortar um fio de cada vez – por favor não usem a tesoura diretamente como se vê na imagem, a não ser que já tenham prática (a tesoura devia ser uma agulha romba a apanhar um fio…)
for this hem we are going to draw 8 threads; one is already drawn, missing 7; mark 1cm from the corner already made and cut the thread  one by one – please don’t use scissors directly as in the picture,  unless you are already experienced (scissors would be a tapestry needle catching only one thread…)
Can you see? I keep the threads “neat” with a pin.
Conseguem ver? Mantenho os fios “arrumados” com um alfinete.

os quatro lados prontos para se retirarem os sete fios, um a um, com uma agulha romba
the four sides ready to draw the seven threads, one by one, with a tapestry needle

Gasto mais tempo a escrever e editar as fotos para estes artigos do que a fazer o que se vê. É muito mais fácil do que parece. Acreditem! Espero que não tenha ficado confuso. ;)
I spend more time writing and editing the pictures for these posts that doing all that. It is easier that it seems. Believe me! Hope all this make sense to all of you. ;)

Por favor façam perguntas. A seguir vamos fazer os cantos. Até para a semana!
I would like to hear from you! Next we’ll make the mitered (?) corners. See you next week!

Guimarães 2012 (3)

Uma espécie de slideshow de cada passo da execução destes alfinetes.
A kind of step by step slideshow.

1 – depois de bordar, colocar outro pedaço de linho, por trás, e contornar em ponto adiante, duas vezes, a forma do alfinete, com linha de coser à máquina, deixando uma abertura.
1 – after the embroidery done, put another piece of line behind and outline with running stitch the shape twice using sewing machine thread and leaving an opening.

2 – aspeto do avesso. 2 – a back view.

3 – recortar o formato do alfinete (este formato não é fácil…) usando aquelas embalagens de plástico em que vêm facas, tesouras, chupetas e tanta coisa mais: a seta pequena mostra o recorte já feito (deve ser mais pequeno para permitir a entrada da agulha, posteriormente) e a seta grande mostra a ponta da embalagem.
3 – cut the shape of the pin (this shape is not easy…) using those plastic packages around knives, scissors, pacifiers and so many things: the smaller arrow shows the cut shape done (must be smaller to allow doing the stitches later) and the big arrow  shows a corner of the package.
4 – experimentar se entra pelo espaço que deixamos e se fica dentro das linhas paralelas (estas linhas em ponto adiante vão ficar cobertas e têm que apanhar os dois pedaços de linho); se tudo está bem mantêm-se o plástico dentro, continuando a fazer as linhas paralelas até deixar uma abertura mais pequena.
4 – test if the shape suits in the opening left and if it  fits into, inside (?) the paralel lines (these lines will be covered and the stitches have to gather the two layers of linen); if everything is well go on stitching the two paralel lines keeping the plastic inside and this time we’ll keep a smaller opening.

5 – aspeto do avesso e já com o fecho cosido (depois é mais difícil).
5 – a back view with the lock (?) already apllied (later is difficult).

6 – com linha coton à border nº 25, começar a fazer ponto recorte, tendo como referência as duas linhas paralelas e sem esquecer que por trás há já um fecho metálico…
6 – with coton à border nº 25 begin doing buttonhole (blanket) stitch referring to the parallel lines and not forgetting there is a metalic lock behind…
7 – perto da pequena abertura encher o alfinete, por cima do plástico.
7 – near the little opening fill the pin, over the plastic.
8 – a parte bordada é a que estou a segurar, consegue-se ver?
8 – my hand is with the embroidered layer, can you see?
9 – a seta está a indicar a parte mais difícil de fazer o ponto recorte; tem de ser feito como se faz quando estamos com bastidor: p’ra baixo, p’ra cima, p’ra baixo, p’ra cima.
9 – the arrow is showing you the most difficult point to do buttonhole stitch; you must do it as if you were with a hoop: down, up, down, up.
10 – corta-se o excesso de pano que fica à volta.
10 – cut surplus linen around.
11 – com uma tesoura muito fina e boa, cujas pontas cortem bem, começar a cortar nesta posição – o ponto recorte fica com uma serrilha que não pode ser cortada! Se necessário usem lupa, doutro modo lá vai o trabalho todo. Quem já fez Richelieu ou bordado da Madeira sabe fazer isto. Para mim estes alfinetes foram a primeira vez :-|
11 – with thin and very good scissors begin cutting that way – buttonhole makes knurls which can’t be cut! If need use a magnyfier. Those of you who have already made Richelieu embroidery or Madeira embroidery (all Cutwork) know how to. To me those pins were my first time :-|

Et voilá!

(nota: gostava de saber porque nalgumas imagens o branco do linho fica azulado – sem flash, noutras não…ainda não sei funcionar bem com a nova máquina!)
(note: would like to know why some pictures turn the white in blue – without flash, others not…still don’t know how to deal with the new camera!)

Drawn threads / Bainhas abertas (1)

Começa hoje a série de artigos sobre bainhas abertas. Procurarei publicar, todas as segundas feiras, na sequência como eu faço. Vamos, então a isto!
Today is the first post about drawn threads. I’ll hope can publish each Monday, by the order I do. Then, let’s go!

Escolher o linho
Para fazer bainha aberta deve escolher-se um bom linho, cujos fios sejam fáceis de tirar.
A urdidura/trama do linho deve ser igual (número de fios), quer na vertical (urdidura) quer na horizontal (trama). Porquê? Se assim não for, uma bainha aberta à volta de qualquer pano, fica diferente, em tamanho, no lado da urdidura e da trama.
Choosing the linen
To drawn threads a good linen should be chosen, so threads are easy to draw. The linen must be a weaven linen, (number of threads equal both in the vertical – warp – and horizontal – weft). Why? If not, the openwork around any cloth, would be different in size, on the vertical side and horizontal side.

Como saber?     How to know?

(±10 fios/cm   ±24 count linen/inch)

±16 fios/cm, também referido como 20L(em Itália também)    ±38 count linen/inch

(±26 fios/cm    ±65 count linen/inch)

marcar, com alfinetes, 1cm na vertical e outro na hotizontal e contar os fios;
se o nº de fios é igual este é o linho que nos interessa! Estes são os linhos que tenho em casa –  vou usar o de 16 fios/cm para toda a serie de bainhas abertas, passo a passo.
Quanto mais fino, mais difícil de trabalhar.
mark with pins 1cm (or 1 inch) both directions vertical (warp) and horizontal (weft) and count the threads; if the number of the threads is the same both directions that’s good, it is a weaven linen! These are the linens I have at hand – I’m going to use the 38 count linen/inch to all drawn threads step by step series.
The thiner, the harder for working.

Preparar o linho Preparing the linen

É fundamental podermos, no pedaço de linho em que vamos fazer a bainha aberta, tirar um fio completo, de lés a lés, em todos os 4 lados. O linho nem sempre vem com o chamado fio tirado.
It’s fundamental that we can draw one complete thread over the 4 sides of the piece of linen where we are going to do the drawn threads. Sometimes linen doesn’t come with what we call by pulled thread (don’t know how to say in English, hope you can guess).

Como podem ver este linho estava um pouco torto. Agora, com muito cuidado e uma boa tesoura tem que se curtar aquela franja toda.
As you can see this linen was a bit askew. Now very carefully and good scissors we have to cut all that fringe.

Recomendo que o façam em cima de alguma coisa que apanhe facilmente aquela confusão. E temos o linho preparado para começar. O tamanho da peça fica ao vosso critério e o tipo e cor do linho também. Qualquer um que tenham em casa – o muito fino é mais dificil de se tirarem os fios. Mas temos que contar com 5cm, a toda volta, para ficar uma bainha cerca de 2cm.
I suggest cutting the fringe on someting you can easily clean. Then we have the linen ready to begin. You can choose the size and the colour of the linen you may already have at home. But we have to count with 5cm all around to end with a hem about 2cm.

As linhas The threads
Estas são as linhas que uso para fazer o ponto ajour, linhas para a máquina de costura. Gosto muito desta marca, que até tem uma roda que prende a ponta da linha, mantendo tudo em ordem. Como podem ver os linhos podem ter vários tons, e até podem ser cloridos. Deve arranjar-se uma linha a condizer. E também é preciso linha para alinhavar.
Pode-se usar, também, coton à border nº 25 ou mais fino, mas fica mais caro. Por agora vamos usar estas linhas mais acessíveis.
These are the threads I use to do the ajour stitch, threads for sewing machine. I specially like this Gütermann threads which still have a wheel to take the end of the thread looking clean. The linen has many shades even colourful. We must have a matching thread. Basting thread is needed as well.
You can use coton à border nº 25 or even thiner too but is too expensive. By now we’ll use these ones.

E a parte aborrecida acabou. Por favor ponham dúvidas e/ou corrijam, dizendo como fazem.
A seguir vamos tirar os fios a toda a volta. Até para a semana!

And the boring part is over. Please write about any doubt you have and/or correct me saying how do you do (and correcting my English pleeeeease!)
Next we’ll draw threads around the 4 sides of the linen. See you next week!

Tutorial muito simples

Please let me know if the translator works!

Para fazer uma flor com sobras de tecido(s)


Desenhar dois tamanhos de pétalas e recortar o tecido dez vezes cada tamanho; juntar direito contra direito e coser deixando uma abertura em baixo para virar as pétalas para o direito – temos cinco pétalas maiores + cinco pequenas (não é preciso coser as aberturas). Quanto maior forem as pétalas, maior será a flor, e lembrem-se que a costura rouba sempre um pouco à pétala… mas não é preciso grande perfeição nem simetrias!

Corta-se um círculo de feltro onde se distribuem as pétalas grandes, cosendo à máquina (neste caso em zig-zag porque o tecido esfiapava), fechando a abertura das pétalas; depois intercalam-se as pétalas pequenas, cosendo novamente à máquina.

E daqui em diante pode-se ir fazendo a ver televisão, a conversar – é para descontrair!

Com fio de sisal dobrado, para condizer com o tecido, fiz um longo, muito longo fio fazendo nós (knots) a intervalos curtos (±1cm) – os miúdos acham graça a fazer isto e facilmente arranjamos fio com nós (knots) para ter sempre à mão ;)


Começar a debruar todas as pétalas com o fio de sisal, segurando os nós (knots) com um ponto de cada lado do nó, sem esticar muito o fio de sisal – todas as imperfeições da costura ficam escondidas :) Penso que estiquei demais o fio, entre os nós (knots) fica bem um pequeno arco.

Se o tecido fosse mais fino ou delicado (tem sempre que ser um tecido relativamente encorpado) usaria uma meada de Mouliné 6 fios (ou outro algodão que houvesse em casa)  no tom do tecido.


As duas camadas de pétalas devem ser fixas naqueles pontos de junção de todas as pétalas, grandes e pequenas.

Continuando com o fio de sisal, fazer duas pequenas “meadas” e coser uma no sentido vertical e a outra na horizontal. E a flor poderia já ficar assim, ou então

enrolar mais fio de sisal entre dois dedos e coser e cortam-se os arcos ou não… É como acharem melhor!

Voilá!

Ponto canutilho / Bullion knot

os meus primeiros pontos canutilho

O ponto canutilho é um pouco intimidante para muita gente. Como tudo, tem que se treinar e apanhar o jeito. E nada melhor que ler os três posts da Yvette Stanton no White Threads, onde explica, de forma muito clara, os truques para um bom resultado: o primeiro, segundo e terceiro. Este último uma completa novidade para mim e que tenho que experimentar.
Também não posso deixar de referir o post e video da Mary Corbet no Needle’nThread.
Prestem atenção logo ao primeiro conselho que, tanto uma como outra, dão: o tipo de agulha – na minha modesta opinião este é o conselho mais importante para se fazer um ponto canutilho mais perfeito e depois apanhar o jeito, fazendo uma e outra vez.

 

Bullion knot is a bit intimidating for many people. Like everything you have to catch the way. And nothing better than reading Yvette Stanton’s posts at White Threads, where she explains clearly tips for a good result: this, this and this. The last one a complete novelty I have to give a try.
I can’t help referring Mary Corbet’s
post and video at Needle’nThread.
Note the very first advice both give us: the needle you use – in my modest opinion this is the most important advice to have a better bullion knot and then catch the way, doing again and again
.

Dito isto, quero mostrar-vos uma outra forma de fazer o ponto canutilho, que aprendi aqui no Norte, com uma bordadeira da Casa do Risco (ver a foto seguinte), há já algum tempo**.
Esta forma de fazer o ponto canutilho é usada quando se quer fazer este ponto bastante longo, como é típico em certos bordados aqui no Norte.

Said this, I want to show you another way to do bullion knot I’ve learnt with an embroiderer at Casa do Risco (see next picture) in North of Portugal, a while ago.**
This way is used when a much longer bullion knot is needed as is characteristic in some
Portuguese Northern embroideries.

**uma história para contar mais tarde…
**a story to tell you later…

fazer um longo ponto lançado de A a B, saindo de novo em A’,
do a long straight stitch from A to B,  pulling out at A’ again,

trabalhar como se trabalha a gradinha,
work as overcasting bar, 

à medida em que se progride, o polegar esquerdo segura na linha já enrolada,
as you go your left thumb protects the already rolled strand,

 até a linha estar preenchida, a agulha mergulha em B
till the end of the strand, and the needle sinks in B

o polegar vai fazendo movimentos laterais no rolo que se vai formando, para ajustar o fio.
as you go your thumb goes over the rolled strand, back and forth, to fit the thread.
E está feito!
It’s done!

Só os pontos canutilhos à direita foram feitos por este método. (inspirado no Bordado de Guimarães)
Only left bullion knots were made this way. (inspired in Guimaraes Embroidery)